quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Os tempos

Quanto tempo já passou?
Um ano? Pouco menos? Ou quem sabe foi o tempo que se distorceu de uma maneira incomum.
Pensava que era, não, na verdade não pensava.
As mesmas imagens repetindo-se constantemente. Como a mesma única e inútil frase que soa repetidamente sem começo, nem fim, sem continuação e sem nada.

É aquela coisa que volta e desespera...
E que manteve o silêncio

2 comentários:

animol disse...

O desespero é ruim. Mas o silêncio è bom.

Manguaçu disse...

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata....

Carlos Drummond de Andrade